31 julho 2008

Ontem Diana Krall

nos jardins do Palácio Marquês de Pombal encerrou o CoolJazz Fest concordo com o Portugal Diário: virtuosa e maternal é sem esforço que lhe sai a voz, é nas calmas que aqueles dedos percorrem o teclado de frente para trás e de trás para a frente em todo o tipo de saltos e pulos
e é simpática Agora atenção: «Com meia hora de atraso, a canadiana subiu ao palco numa noite de Verão perfeita ...» a meia hora de atraso, tenho para mim (é o máximo esta expressão tão em voga), que foi porque às 22h ainda metade do recinto (creio que esgotado) não estava lá, típico da gente, né?
fechem as portas, não deixem entrar mais ninguém, ao estilo da ópera e do ballet,
só no intervalo (que não houve)
e logo os vip, quarentões, cinquentões e demais que por lá abundavam íam ver, para a próxima tinham mais respeito pelos pontuais
enfim, foi muito bom!

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

o Carlos Fagundes fez isso quando veio a Lisboa, mas não seviu de exemplo. A malta continua na mesma.

Álex disse...

só lhes doi quando atinge o bolso, se não pudessem assistir depois de terem pago 50 aéreos e mais, ao 2ª ou 3ª espectáculoa que fossem já se íam lembrar de sair de casa antes...