24 maio 2016

sobre o passar do tempo

ou seja, a idade e a forma como nos vemos versus como nos vêem os outros

pelo B.I. se comprovam os meus 53 anos.
tenho um rosto precocemente enrugado - herança familiar e incapacidade de não franzir a testa, o sobrolho e os olhos sempre que falo, independentemente do que falo, e eu falo muito!
mantenho um bom corpo.

aproveito a oportunidade de poder ir trabalhar vestida como me apetece, ou seja, a maioria das vezes como se de fim-de-semana estivesse. ainda ontem no curso, rodeada de jovens de 30 e menos (uma mais nova que a minha enorme caixa de lápis de cor!!!), uma delas a meu lado me disse: - a senhora ... (ODEIO!!!!)
provado que quem olha para mim vê uma senhora. eu sou uma senhora. não importa se uso jeans rasgadas, botins de motard e gabardine frutacor.

aqui chegada e assim auto-descrita coloco a questão que cada dia mais me surge:
raio o ridículo por usar certas roupas, que não me ficam mal devido ao corpo que mantenho, mas que não batem certo com a idade que se vê na cara? sim porque no meu interior continuo pelos trinta





23 maio 2016

Halloween 2015 - drafts esquecidos #1



tanta fotografia gira das festas de Halloween no passado e afinal vejo que publiquei quase nada !! estranho ...
este draft encontrei merece por causa da Cristina, porque a pensar nela fizemos uma festa e todos, como anteriormente, alinhámos
dizia assim:

este ano quero voltar a celebrar o Halloween e assim celebrar a vida da nossa amiga C.
porque ela alinhou sempre e se esmerou 
porque agarrava a vida com paixão
e eu vou assim, como a Frida que também tinha paixão pela vida





20 maio 2016

noites




o passar dos anos modifica-nos o corpo. ponto final parágrafo
há anos que deixei de poder comer castanhas cruas. ultimamente "repito" o alho e o pepino ...
já não posso comer os chocolates todo do mundo sem sentir o pneu a aumentar ...
as "peças" vão-se desgastando e as mãos doem porque se deformam - o peso da genética ...
mais facilmente dou um jeito e durante dois dias dói-me hoje aqui e amanhã ali ...
mas passar a dormir mal porque acordo sem razão a meio da noite (às 3 e tal ou às 4 e tal ou às 6 e tal) é que NÃO ! NÃO, NÃO, NÃO
não pode ser, estou tramada ... a ver se é só uma fase, esquisita, mas uma fase qualquer a propósito sei lá do quê ..

19 maio 2016

injustiças!



eu não vou ver o Springsteen porque não tenho companhia e sozinha este tipo de concertos não me apetecem, ainda ...
ele não queria ir, mas teve convite de uma ex e vai!

09 maio 2016

alianças, perdas, superstições ...

a primeira aliança mandei-a fazer. uma cópia em ouro de um modelo da Piaget. um anel largo em que a aliança girava no centro

ele não queria usar e eu não fazia questão; assim a minha era diferente.
poucos anos passados perdi-a. desgosto. (ainda hoje estou convencida que a encontrarei nalgum bolso de calças esquecidas ou esquina de roupeiro...)
passado tempo ele ofereceu-me um anel em prata, lindo, da Mariana Pimentel e encarei-o como a minha nova aliança. até que o perdi/mo roubaram descaradamente no hotel em Paris. chorei muito. fiz o luto. durante um ano não usei anéis, não me apetecia.
um dia, no free-shop no aeroporto de Lisboa gostei de um anel que eram 3 aros de aço independentes. o do meio mais grosso que os outros dois. lisos, muito simples mas bonitos. e os 3 aros têm um especial significado para mim. nós os três, como o meu anel de "namoro"/compromisso.
até esta manhã era a minha aliança. de brincadeira falava da "despromoção" do ouro para a prata acabando no aço...
não sei se o aro exterior ficou enterrado na areia da praia ontem aquando dos inúmeros push-ups, se poderá estar no chão casa pais ... mas esta manhã não estava no meu dedo nem aparentemente na cama. novo desgosto e um arrepio de superstição ...

06 maio 2016

stories

love unconditionally
lead by example
don't be afraid to fall, sometimes the perspective we need most it's from the ground
don't be affraid to succed, sometimes we don't  shoot for the sky because we don't look high enough , hence the view from the ground
follow your dreams with steadfast  determination, never settle
open your heart to endless possibilities and risk it all for a moment when the moment is right
life may not always seem fair but that's how you'll now you are living it
make a difference in the world
make your mark

05 maio 2016

poesia

Elvas
Ha pasado muy lentamente frente a mis ojos,
Ha detenido con ellos
la marca de luz de su emoción abierta,
la delicda variación de sus gestos,
su sonrisa, su miedo.

Sé que el mundo se ha abierto
y yo camino entonces con el sal
sin una sombra
como una luz exacta que se contempla.

Amanece la playa despojada
echada encima del mar como cansancio,
de bruces contra el agua que apenas y la toca y la sacude.
Hay sol, y el pedregal de algas desbarata su rigidez de restos y de huesos.
El mar se oye llegar como un respiro,
continuo y repetido como un respiro

Primavera 2016


04 maio 2016

palavras, saúde, merdas ...



gosto de palavras. de como soam. turmoil é uma delas. agitação. turbilhão. perturbação. tumulto. desordem. confusão. são todas boas traduções.
há fases da vida assim e a imagem que me vem à cabeça é a de um remoinho no mar alto, estou no centro e sou engolida em movimento espiral para as profundezas.
(e como a minha cabeça funciona como funciona, lembro-me da cena do Flushed Away  - ai eu!)
bom, e depois vem a realidade externa a mim e a relatividade das "cenas" graves : a jovem queridíssima filha de uma amiga com anorexia e depressão, whattttt?!!! o namorado de outra super fixe jovem, filha de amigos, que tem linfoma, outro?!!!!
são "sobrinhas" do meu coração, são jovens, são merdas muito más. porra porra, porra, que merda!
respiro fundo. olho pela janela para o resto do sol no céu já mais cinzento que azul, o mar sempre fabuloso não importa a cor que assumir, relembro a super boa saúde da minha família apesar dos pesares e tenho que me dizer: deixa-te de merdas Alexandra, quítale hierro a la cosa and what will be will be

e hoje um amigo mandou-me uma das suas músicas, fixe não?

03 maio 2016

mas no fds ainda









fiz ginástica

fui ao lançamento de um livro, andei de mota



jantei, tomei brunch e passeei com amigos



e ainda tirei Iphotos

 algo está a acontecer na Galileu...



só o final foi menos bom


02 maio 2016

mais uma segunda-feira


mais um começo difícil de semana que nem sei para onde me vire
respirar fundo, inspirar, expirar, inspirar, expirar
tenho sono porque ontem fui para a cama às 2 e pouco da matina depois de 7 horas nas urgências do hospital; estou a ficar piúrça com o "desgaste e a bipolaridade pendular" - perdi qualquer objectividade possível e com sono ... péssima combinação!
pensar positivo, pensar positivo, pensar positivo
há sempre coisas boas a acontecerem: osteodensitometria: ainda tenho bons ossos, fixolíssimo! fui farmácia, supermercado, casa, pais, bombeiros - dei conta dos recados todos rapidamente, yessssssssss!  posso fazer isto numa normalíssima manhã de trabalho - sortudaaaaa; consegui ir à aula de Pilates e não adormecer, booom
acho que não vou ter energia para fazer o jantar programado... há frangos assados ao fim da rua!
amanhã será outro dia



(fotografia óptima pelo que repetida)

27 abril 2016

Capa duma Hola



há desgastes irrecuperáveis porque mataram o amor?
uns não dão por isso? outros tentam e não conseguem? outros não estão nem aí e deixam andar até surgir um terceiro ou os tachos começarem a voar?

26 abril 2016

fds grande - em feminino singular #1


começou também por esta ideia
foto daqui

porque gosto de guiar 

e pela saudade e amor destas paisagens
(tirada do carro com telelé. não sei o que é a pinta verde luminosa...)

ou seja, saudades do Alentejo, dos campos verdes floridos, das vistas amplas
e, com a banda sonora super acertada, juntei a fome à vontade de comer e fui pelas estradas nacionais a tentar recordar percursos e locais de paragens


e fotografei flores

e curiosidades

e maluqueiras minhas

e sonhos bons

20 abril 2016

out of the blue

... when you understand you forgive - I've always belive this

I feel in peace when I kind of understand him and know where his problems come from and accept I'm not going to change him, I don't even want to! but that fact allows me to go on with my relationship with him in different ground, in better terms.

«This is not about "forgiveness." The way past the anger is not "making up" with whoever wronged you. The secret is being willing to accept that what happened did indeed happen, and feel the pain of what you suffered even when every part of you is screaming NO.  To cry through it and comfort yourself. As Oprah says,"Forgiveness is giving up hope that the past could have been any different." Once you offer yourself that healing, you won’t need to hang onto the anger. »

More than about forgiveness is about the inevitability of changing what happened and lived through BUT, in the meanwhile, I closed myself so it wouldn't hurt so much and in order to survive. I didn't allow myself to feel the pain and finally heal. When I let myself feel the hurt I though I was pittying myself and that wasn't acceptable!
Now I have learned that I should not avoid hurt but lived it and let it died naturally at its own pace. I may show hurt if someone/something is hurting me. I'm exposed in that moment and so what? That doesn't diminishes me a bit! Show my emotions

Resentment has been the feeling towars him and, in certain ways guided my growth and developing to an adult