24 janeiro 2008

...como diz a minha amiga

numa das coisas em que se nota que vamos pa velhas, é a intolerância a certas situações;
é mesmo assim, eu já não deixo passar certos comportamentos e por isso virei refilona - coisa que nunca fui.
ontem no estacionamento do Stapples, um casalinho nos seus lindos sessenta e picos decidiu que lhes era muito mais fácil torcer à esquerda e estacionar num dos 2 lugares assinalados para deficientes, do que torcer à direita e estacionar num dos 2 lugares "normais", a manobra requeria o mesmíssimo esforço.
eu apanhei-os já a sairem do carro e por isso abri o vidro e comentei algo do estilo:
- muito lindo, a ocuparem o lugar para deficientes...
olharam para trás, repararam no sinal e continuaram em direcção à entrada da loja.
fiquei tão danada! e o D. lá atrás:
- ó mãe o que são deficientes?
entrei na loja, e como ía ao balcão central, apontei logo os senhores lá dentro e reclamei ao empregado do comportamento deficiente de certos clientes ainda por cima, já com idade para terem juízo
- poissss... as pessoas são assim...
- pois e vocés nada fazem quando os veêm ou vos dizem quem são... é preciso chegar aqui algum lesado e vos pedir contas?
ou se calhar esses também já estão tão habituados a que lhes passem por cima que já nada dizem...
...e assim andamos nós! foto tirada daqui http://castelodebeja.blogspot.com/2007/04/o-definitivo-sinal-de-transito.html hoje não consigo postar link decente, santa pachorra...

1 comentário:

JG disse...

Quando foi a Expo 98 apregoava-se aos berros que o povo português tinha passado, finalmente, a ser civilizado porque no recinto não havia papéis no chão, todas as pessoas eram educadas, todos exibiam um civismo estranho a que não estávamos habituados.
Foi coisa para três meses e apenas naqueles poucos quilómetros quadrados, mais uns quantos à volta para não parecer mal.

A Expo acabou em 30 de Setembro de 98, creio eu. No dia 1 de Outubro já havia gente a estacionar em lugares para deficientes, a cuspir para o chão, a deitar papéis para os lagos, a urinar atrás dos pilares ou das estátuas naquele sacrosanto espaço.

Como não acontecer isso na Stapples? Se nem sequer é o Parque das Nações, ora essa?