05 abril 2016

hoje sobre o meu adolescente


que começa a aprender algumas duras lições de vida, da sua esperteza saloia, da honestidade que está careca de saber pauta a sua relação connosco os pais, de que mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo e que mais sabemos os pais por velhos que por diabos!

na 5ª deixámo-lo depois de jantar em casa de um amigo onde ia passar a noite. subentende-se que a jogar nao PS/computador, a ver séries, na converseta.
no dia seguinte soube que foi para o Urban dançar ... ...

nesse mesmo dia à tarde mandou-me, finalmente, o resumo da sua leitura de Os Maias. só porque tínhamos combinado que assim faria porque lhe faz falta escrever e resumir.
estava bastante bom, simples mas bem resumido. hoje, que tive tempo, fui à net procurar resumos. não sei porque me ocorreu fazê-lo já que conscientemente não achei que o D tivesse copiado - não tem sido o seu comportamento até hoje, mas devia pairar alguma dúvida no meu subconsciente pois sei de que pé coxeia o meu filho e é no da escrita ... claro que está copiado, não ipsis verbis até porque devia dar mais trabalho, ou porque foi mesmo inteligente e achou que eu desconfiaria da utilização de certo vocabulário/gramática.

hoje à noite não vou explodir como na sexta (fiz mal, devia ter esperado umas horas a ver se ele dizia algo e não o ter confrontado logo mal entrei porta dentro piúrça; disse que pensava dizer-nos pessoalmente... pois sim abelha! e consumado o facto claro está!)
primeiro mostro o resumo/cópia ao pai e depois conferenciamos porque desta haverá consequências maiores do que ter ficado um dia sem sair...

2 comentários:

Jose Maria Oliveira disse...

Não sei se te ajuda alguma coisa o que tenho para dizer sobre esta questão, mas digo-te na mesma: se a minha filha copiasse um resumo dos Maias eu não me zangaria com ela por isso. Acho absurdo fazer-se um resumo dos Maias, sobretudo porque os há feitos por todo o lado. Eu teria dito isso em primeiro lugar à miúda e ela saberia que era uma decisão dela. Jamais lhe exigiria que cumprisse uma tarefa tão inútil. Já o ir dançar não sei onde em lugar de ficar a jogar PS, pergunto-me se o terias deixado ir dançar se ele o tivesse pedido. Terias? Também não me parece assim uma coisa tão grave. Quanto mais autonomia lhe deres, menos ele sentirá vontade de te esconder o que quer que seja. Pensa mais no registo dele e menos no teu. Caso contrário vais entrar numa guerra perdida e vais perder o contacto com ele. Não há nada que mereça isso, na minha humilde opinião.
Desculpa se o que escrevo não te fizer sentido, mas para mim a ligação com os adolescentes deve ser muito mais de confiança e muito menos policiada.
Castigares um adolescente por te ter mentido não o irá fazer mentir-te menos, irá fazê-lo mentir-te mais e irá afastá-lo de ti, que é o oposto do que pretendes. Eu sei que é estranho, mas do que ele precisa é da tua proximidade e compreensão, não é da tua ira.
Tenta ver as coisas de outra forma. Se quiseres, contacta-me por e-mail.
Sabes, não sabes?
Beijinhos.

Marta Moura disse...

Muita paciência é o que é preciso!