14 abril 2008

«Força-te, força-te à vontade e violenta-te, alma minha;
mais tarde, porém, já não terás tempo para te assumires e respeitares. Porque de uma vida apenas, uma única, dispõe o homem.
E se para ti esta já quase se esgotou, nela não soubeste ter por ti respeito, tendo agido como se a tua felicidade fosse a dos outros...Aqueles porém que não atendem com atenção os impulsos da própria alma são forçosamente infelizes.»
in "Pensamentos" de Marco Aurélio in Comboio Nocturno para Lisboa de Pascal Mercier - Dom Quixote

2 comentários:

zm disse...

Estou a poucas páginas do "La Catedral del Mar", do qual estou a gostar muitíssimo. Por isso, comprei já ontem o "Comboio Nocturno para Lisboa", que estou ansioso por ler, depois das muitas críticas positivas que tenho lido.
Andamos por caminhos semelhantes na leitura, nestes dias.

Álex disse...

é verdade!